Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Mercedes aposta no eletrificado modelo E300e


É uma berlina premium. Tem comportamento de executivo, mas há mais neste Classe E. Com a versão híbrida plug-in, também sabe ser desportiva. É como ter outro carro na garagem, mas "all in one". 

E300… “e”? Não, a Mercedes não se enganou no lettering. Aquele “e” não está a mais, é mesmo para estar ali em destaque na traseira da sua berlina familiar premium

Serve para “avisar” os mais distraídos que há energia extra dentro da bagageira (literalmente) nesta nova versão híbrida plug-in de luxo. Já houve o 350e, mas nesta nova fase de eletrificação da marca da estrela, a aposta é no 300, equipado com um motor de quatro cilindros 2.0 a gasolina, com 211 cv, que tem acoplado um outro motor, desta feita elétrico, que aumenta a potência total para 320 cv. É muita potência, mas muito bem transmitida às rodas pela 9G-TRONIC de 9 velocidades.

Com o “e” vêm as baterias, alojadas na bagageira, encolhendo-a parcialmente, mas também a suavidade característica destes modelos híbridos. Não se ouve o ligar do motor quando carregamos no Start, à semelhança de um puro elétrico. E a partida é quase contranatura já que se vê o Mercedes a rolar, mas não há barulho… nada.

O E300e permite rolar neste silêncio durante 50 km, mas obviamente dependerá do pé. Quanto mais suave for, maior será a autonomia em elétrico. Velocidades mais elevadas já acabam por acordar o motor a gasolina, bem como todos os cavalos extra, que dão uma ajuda à autonomia das baterias. Vão carregando com as desacelerações e as travagens que inevitavelmente acontecem na cidade e fora dela. E é tudo monitorizado na grande tela que rasga o tablier desde o lugar do condutor até quase ao lugar do passageiro.

Para explorar ao máximo as potencialidades do “e”, o modo Eco ou mesmo o Normal, ambos capazes de oferecer uma condução tranquila, com potência suficiente para ultrapassar quaisquer obstáculos na estrada. Nestes modos de condução, a fatura saí barata… A marca anuncia um consumo médio de gasolina de apenas 2l/100 km. Não é fácil chegar a esses valores, pouco mais de 4l/ 100 km numa condução sem preocupações é completamente exequível.
 
VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemMercedes aposta no eletrificado modelo E300e

Publicado no Verdesobrerodas



Por ECO conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário