Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Carro elétrico vem ganhando popularidade


O carro elétrico vem ganhando popularidade dia após dia. Embora pareça uma invenção relativamente moderna, a verdade é que os carros já eram elétricos há várias décadas, mas o motor a combustão interna ganhou a corrida da eletromobilidade e este sistema de propulsão teve que esperar sua vez. Um dos adiantados à sua época era o Elektro Opel GT de 1971.

É considerado como um dos primeiros veículos totalmente elétricos criados pela Opel, um pioneiro que hoje serve como base para a história da marca nestes sistemas de propulsão alternativos, que se materializaram mais tarde no Opel Corsa-e de produção, e antes no Opel Ampera-e.

Georg Von Opel, o neto do fundador da empresa Adam Opel, estava convencido de que os carros elétricos seriam o futuro da indústria automobilística. No entanto, em plena década de 70 e somente dois anos antes de eclodir a Crise do Petróleo de 1973, este tipo de veículo eléctrico não tinha nenhum tipo de aceitação entre os consumidores, mas mesmo assim o executivo decidiu mostrar o potencial dos carros elétricos no circuito de Hockenheim em 1971.

Baseado no Opel GT, um pequeno esportivo de produção em série, o Elektro Opel GT jamais teve a intenção de chegar aos concessionários. Pelo contrário, tornou-se uma demonstração de força e potencial por parte da Opel, além de uma prova de que os carros elétricos eram o futuro. O neto do fundador da empresa talvez fosse um avanço para sua época, uma espécie de Elon Musk dos anos 70.

Para sua construção, os engenheiros da marca alemã tomaram como base um GT e lhe aplicaram uma série de medidas que ajudaram a melhorar o seu rendimento. A carroceria recebeu diversas mudanças que afetavam principalmente a aerodinâmica. A parte frontal era totalmente carenada, incluindo uma parte que cobria quase a metade das rodas dianteiras. Foram eliminados os espelhos retrovisores, foi acrescentado um pequeno spoiler traseiro e também foram parcialmente carenados os arcos de roda traseiros.

As lanternas traseiras foram eliminadas, assim como qualquer elemento relacionado com o sistema de propulsão original do veículo de produção. Em seu lugar, o Elektro Opel GT equipava um sistema de propulsão totalmente elétrico composto por dois motores de 120 cv desenvolvidos em colaboração com a Bosch.

 Esta configuração lhe permitiu alcançar uma velocidade máxima de 189 km/h e acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 6 segundos, números realmente impressionantes para um carro elétrico desenvolvido há 48 anos.

Os engenheiros da Opel toparam com um muro significativo: a tecnologia da época não era suficientemente avançada para proporcionar uma faixa de autonomia suficiente para que o Elektro Opel GT impressionasse as massas. Suas baterias de níquel e cádmio criadas pela Varta, que ocupavam todo o piso do veículo atrás do banco do condutor, ofereciam energia suficiente para rodar 44 quilômetros com uma só carga.

A Opel não pôde completar seu objetivo de rodar 100 quilômetros com uma só carga. No entanto, o fabricante do raio, graças ao desejo de um executivo da família direta do fundador da Opel, tratou de demonstrar que o carro elétrico era na realidade o passo seguinte na escala evolutiva do automóvel e que, embora tenha sucedido há quase meio século, já assentava as bases do que hoje conhecemos como eletromobilidade.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemCarro elétrico vem ganhando popularidade

Publicado no Verdesobrerodas



Por PlanetCarsz conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário