Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Mercedes democratiza a hibridização com carregamento externo

Com a chegada dos 250 EQ Power às gamas A e B, a Mercedes democratiza a hibridização com carregamento externo e dá passos para cumprir as regras de emissões de CO2 previstas para 2020. Quer isto dizer que a dispendiosa tecnologia híbrida “Plug In” desce até aos patamares mais inferiores da gama Mercedes, democratizando-se (veremos os preços!) com o Classe A e Classe B 250e EQ Power. O motor de combustão interna é o 1.4 litros turbo a gasolina feito em parceria com a Renault, com 160 CV, está acoplado a uma caixa automática de dupla embraiagem com oito velocidades (no lugar da habitual Getrag de 7 marchas) e a um motor de 75 kW. Contas feitas, são 218 CV e 450 Nm de binário.
Graças a uma bateria de iões de lítio com 15,6 kWh, a autonomia, em ciclo WLTP, é de 60 a 68 km no A 250e EQ Power e um quilómetro mais no modelo de quatro portas. Mais pesado e menos aerodinâmico, o B 250e EQ Power tem uma autonomia entre 57 e 67 km. Com uma “wallbox” de 7,4 kW, a recarga da bateria é feita em 1h45m. Em ambos os modelos, o motor elétrico está colocado á frente pelo que ao contrário do que se passa, por exemplo, com o BMW 225xe Active Tourer (rival do B 250e EQ Power), não têm tração integral.


Com estas características, a Mercedes reclama consumos baixos com emissões inferiores a 40 gr/km. Com uma velocidade máxima limitada a 140 km/h em modo elétrico (arranque em modo “Eletric”), os dois modelos aceleram dos 0-100 km/h entre 6,6 e 6,8 segundos. Graças às patilhas colocadas atrás do volante, o condutor pode regular a capacidade de regeneração de energia, logo a capacidade de travão do motor. 

Claro que ambos os modelos são mais pesados que as versões a gasolina (mais 150 kgs das baterias e mais 50 kgs dos diversos controlados e cabos) o que poderá afetar o equilíbrio em termos de comportamento. O preço, como referimos acima, poderá ser um dos maiores entraves á sua difusão, pois diz-se que a diferença entre um A200 e um A250e EQ Power pode ser superior a 10 mil euros, o que atira o valor final para patamares muito elevados. Mas até a Mercedes divulgar os preços em Portugal, esta estimativa não passa disso mesmo.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemMercedes democratiza a hibridização com carregamento externo

Publicado no Verdesobrerodas

Por Autosportconteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário