Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Veículos passarão a ser elétricos e conectados


Só na Europa, a indústria automóvel é responsável por 12 milhões de empregos, mais do que nos Estados Unidos (oito milhões) e no Japão (cinco milhões). É um mercado gigantesco, que em Portugal emprega mais de 200 mil pessoas, direta e indiretamente, e representa 6% do PIB nacional.

O que se prevê que aconteça nos próximos cinco a 20 anos é uma transformação radical da indústria, que mudará a forma como se fabrica, vende e utiliza os carros.

Os veículos passarão a ser elétricos e a estar conectados, com mais atualizações de software do que necessidade de revisão mecânica. As construtoras lidarão com consumidores que querem mais serviços e menos veículos próprios. O mercado tem de se preparar para o inevitável, num processo que terá tanto de disrupção como de angústia. 
  
A Deloitte identifica um novo ecossistema de mobilidade que assenta em cinco pilares: veículos, gestão da mobilidade, experiência do cliente, infraestrutura e políticas & regulação. A PwC criou um acrônimo, EASCY, para resumir as cinco tendências que identifica nos carros do futuro – eletrificados, autônomos, partilhados, conectados e atualizados anualmente. A McKinsey antecipa que os lucros globais das construtoras automóveis cresçam quase 50% em 2020, mas as margens virão sobretudo dos mercados emergentes, visto que os desenvolvidos (como Europa e Estados Unidos) estão estagnados.

Seja qual for o ângulo através do qual se olhe para a indústria, é inegável que há mudanças significativas em curso e que toda a gente sentirá o impacto: do tipo de empregos às receitas das construtoras, dos serviços de mobilidade disponíveis aos novos perfis dos consumidores.

A metamorfose do mercado automóvel virá em três fases nos próximo cinco a 20 anos, explica Jamie Hamilton. A primeira é a passagem do motor de combustão para o elétrico, algo que está a ser impulsionado pela pressão dos consumidores e dos reguladores devido às alterações climáticas.

O dilema é que as construtoras automóveis continuam a ter de fazer dinheiro enquanto mudam para os veículos elétricos, mas Hamilton acredita que estamos “quase no ponto de inflexão.” Prevê que os preços vão descer e que o custo total de propriedade nos primeiros três anos vai equiparar-se aos carros a gasolina. 


A mudança será acelerada pela inovação. Só na China, há quase 500 novas startups focadas em criar novas marcas de carros elétricos e antecipa-se muita concorrência às incumbentes. “Nos próximos três a quatro anos vamos ver este ponto de inflexão, com as pessoas a aderir aos carros elétricos como standard. E isso terá grandes implicações para a indústria.”
Um dos efeitos vai fazer-se sentir nos stands e nas oficinas, porque os carros elétricos têm menos componentes e são mais fiáveis, “por isso o mercado pós-venda será significativamente menos lucrativo”. A pressão sobre os vendedores de carros gerará outros formatos e as marcas procurarão vender diretamente aos consumidores, incluindo através de retalhistas como a Amazon. “Vamos ver mais compras online, porque o modelo de stand não será lucrativo. Isto vai acontecer nos próximos cinco a dez anos”, frisa Hamilton.

Inteligência artificial, 5G e apps de mobilidade vão levar à segunda onda, a dos carros conectados e partilhados. “Por causa dos custos de produção dos elétricos, os fabricantes estão à procura de mais meios para fazerem dinheiro e os serviços de dados são uma área-chave”, indica o analista. O Regulamento Geral de Proteção de Dados pode criar aqui obstáculos, mas há um modelo de monetização dos dados que é possível pôr em prática.

No entanto, “haverá muitos modelos diferentes das cidades para as zonas rurais, porque pode ser lucrativo ter um serviço de partilha de carros em Londres, mas não no campo no norte de Inglaterra ou no interior de Portugal.” Isso dará origem a novos modelos e diferentes formatos de posse de veículos, uma fase que acontecerá nos próximos cinco a quinze anos.  


VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemVeículos passarão a ser elétricos e conectados

Publicado no Verdesobrerodas



Por Motor 24 conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário