Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

terça-feira, 9 de julho de 2019

Renault eletrifica o Clio


Com Mégane e Captur na calha para receberem versões plug-in, a Renault eletrifica o Clio com uma nova solução E-Tech com a promessa de ser capaz de circular, em cidade, até 80% do tempo em modo totalmente elétrico. Isto ainda que o alcance em modo EV não deva superar os 4 ou 5 km, pelo fato de ser um híbrido total.

A Renault vai introduzir entre nós a quinta geração do “best seller” Clio a partir da segunda quinzena de setembro, mas em matéria de eletrificação a novidade vem em 2020 e vai chamar-se E-Tech.

Trata-se de uma motorização híbrida com características especiais. Embora não seja um plug-in (trata-se de um “full hybrid”), vai possibilitar circular, em cidade, até 80% do tempo em modo totalmente elétrico (ainda que, pelo fato de ser um híbrido total, o alcance em modo EV não deva superar os 4 ou 5 km). Isto de acordo com François Vaxelaire, engenheiro-chefe de motorizações da Renault, com quem o Watts On falou durante a apresentação internacional à imprensa do Clio V, que decorreu em solo nacional.

O modelo com este motor E-Tech terá ainda ganho nos consumos que pode atingir os 40% relativamente a um motor térmico a gasolina, em ciclo urbano, afirma François Vaxelaire.

Segundo a marca, isso é conseguido graças à combinação da travagem regenerativa, idêntica à de um veículo totalmente elétrico, com um carregamento rápido da bateria nas fases de desaceleração e com o rendimento do sistema E-Tech.

O motor E-Tech, desenvolvido e com patente registada pela equipa de engenheiros da Renault, utiliza elementos conhecidos no seio da Aliança, tal como o bloco a gasolina atmosférico de 1,6 litros da Nissan retrabalhado especificamente segundo o ciclo Atkinson (com uma potência ainda por desvendar). Este bloco está associado a dois motores elétricos, uma inovadora caixa de velocidades multímodo, sem embraiagem, e uma bateria de 1,2 kWh, alojada na seção posterior do utilitário.

Segundo François Vaxelaire, a nova transmissão automática é baseada numa caixa mecânica com quatro relações, conectadas ao bloco de combustão, às quais acrescem duas velocidades elétricas, ligadas a um dos motores elétricos. Juntas garantem um total de 15 velocidade, segundo a Renault. 

A sincronização das velocidades é feita através dos motores elétricos. O novo Clio inaugura ainda a base CMF-B, que se caracteriza por ser uma nova arquitetura elétrica preparada para integrar as últimas evoluções tecnológicas. Até ao horizonte 2022, 70% dos veículos da Aliança e 80 % dos veículos do Grupo Renault serão, aliás, produzidos em plataformas comuns da família CMF (Common Module Family).

Para o Grupo Renault, o novo Clio funcionará também como “ponta de lança” do plano estratégico “Drive the Future (2017-2022)”, que se articula em torno de três pilares: Elétrico, Conectado e Autônomo.
  • Elétrico: até 2022, o Grupo irá dispor, na sua gama, de 12 modelos eletrificados, sendo o novo Clio o primeiro, com a motorização híbrida E-Tech. 
  • Conectado: até 2022, todos os modelos Renault comercializados nos principais mercados serão conectados. 
  • Autônomo: até 2022, o Grupo Renault irá comercializar 15 modelos equipados com tecnologias de condução autônoma. Nesse capítulo, o novo Clio já é semi-autônomo, pois disponibilizará em opção “Assistente Trânsito e Autoestrada” (com autonomia de nível 2).
O novo Clio não deverá ter uma unidade 100% EV, dado que esse “campeonato” no segmento em termos de Renault está reservada para o Zoe.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável


PostagemRenault eletrifica o Clio

Publicado no Verdesobrerodas



Por Motor 24 conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário