Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Aumento da frota de carros elétricos no Reino Unido exige criatividade


A falta de infraestruturas suficientes para os carros elétricos no Reino Unido está a obrigar os condutores a procurarem alternativas. Muitas vezes em casa, algumas delas muito perigosas.

Três quartos dos consumidos britânicos que carregam os carros elétricos em casa utilizam extensões elétricas, ou até múltiplos cabos, para fazer com que a energia chegue aos automóveis, revela um estudo da "Electrical Safety First", a que o jornal "The Guardian" teve acesso.

O inquérito, com uma amostra de mil e quinhentos utilizadores, revela que 74% deles afirma que a falta de pontos públicos perto das suas casas faz com que sejam obrigados a procurar alternativas. E, apesar de no mercado já existirem sistemas preparados para serem instalados em casa, muitos usam extensões domésticas, que não estão preparadas para carregar os carros em segurança. O perigo é ainda maior já que grande parte destes veículos estão estacionados na rua.

Um comportamento de risco assumido, já que nove em cada dez dos inquiridos afirma que sabe que os cabos que usam não são apropriados para carregar carros no exterior das casas. Ainda assim, metade dos condutores de carros elétricos refere que, não só usa cabos no exterior das casas, como os deixa à chuva. Além disso, 75% dos inquiridos diz que já usou múltiplas extensões, apesar dos avisos relacionados com o risco de incêndio.

Os últimos dados públicos revelam que o número de carregadores varia de 147 por 100km2 em Londres para 1,55 por 100km2 em Gales. A falta de carregadores públicos é um problema identificado em grande parte do Reino Unido e a perspetiva não é positiva. O "The Guardian" revela que um quarto dos municípios ingleses travou a expansão de carregadores públicos.

Em todo o país existem apenas cerca de 70 postos de carregamento rápido (PCR), onde uma carga demora cerca de meia hora. Nos outros, de carga lenta, são precisas várias horas. E, apesar de haver cada vez mais em centros comerciais e parques de estacionamento, são insuficientes.

Entretanto, a EDP lançou recentemente uma nova solução para carregamento em casa dos clientes, a EDP Wallbox, também disponível em modelo de subscrição mensal (12,90€ por mês). Esta solução incorpora o sistema "edp re:dy", que permite aos clientes monitorizar e gerir os seus consumos de eletricidade e otimizar a utilização da potência disponível em casa, ajustando-a de forma a evitar interrupção de fornecimento.

Em Portugal, venderam-se em 2018 quase tantos veículos elétricos (8241) como nos sete anos anteriores desde que começou a comercialização em Portugal, onde o acumulado de vendas foi de 8469.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemAumento da frota de carros elétricos no Reino Unido exige criatividade

Publicado no Verdesobrerodas



Por Jornal de Notícias conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário