Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Model 3 deverá ser vendido em Portugal por €43 mil


Por uma ou outra razão, a Tesla continua a ser notícia. Num intervalo de um mês, a marca liderada por Elon Musk anunciou o Model 3 de 35 mil dólares, o mais econômico de sempre, baixou os preços de todos os modelos e apresentou o Model Y.

Comecemos pelo Model 3 de 35 mil dólares que, segundo as nossas contas, deverá ser vendido em Portugal por uns 41 a 43 mil euros lá para o verão. O impacto desta versão tem tudo para ser gigantesco. Basta consideramos que outros elétricos bem menos desejáveis custam o mesmo ou até mais. 

O Model 3 está longe de ser perfeito, mas tem acesso a uma rede de supercarregadores única, que permite viagens longas despreocupadas a custos muito baixos, é tecnologicamente evoluído, sobretudo na área da conectividade, e tem vantagens óbvias em estar assente numa plataforma criada de raiz para um elétrico. Por exemplo, tem uma pequena mala na frente, onde a maioria dos concorrentes tem o motor, e a bateria está totalmente instalada na base, numa arquitetura conhecida por skate, que liberta muito mais espaço para o interior. O fato de a Tesla ser uma marca exclusivamente elétrica e de não estar dependente de fornecedores para criar as baterias faz toda a diferença (tem fábrica própria de células). 

Outros fabricantes não escondem as dificuldades que estão a ter na obtenção de células para produzir as baterias e como optam muitas vezes por plataformas comuns para produzir elétricos e carros tradicionais, o resultado é que acabam por fazer concessões. 

A utilização de plataformas mistas até pode ter algumas vantagens em termos de custos a curto prazo, mas revela-se limitadora em termos de eficiência (consumos), design (menos espaço para passageiros, por exemplo) e até em termos de custos a longo prazo. E são também estes dois fatores e um terceiro, o fato de a Tesla ser uma empresa tecnológica e não uma empresa automóvel, que justificam a grande redução dos preços para o Model S e Model X.

A descida chegou a algumas dezenas de milhares de euros para as configurações mais caras. Uma péssima notícia para quem comprou um dos modelos afetados há alguns meses, já que viram desvalorizar em muito o carro. Nada habitual na indústria automóvel, mas relativamente comum no mercado dos produtos tecnológicos. E também foi uma péssima notícia para os concorrentes que, no geral, estão a preparar carros com preços similares aos que os Tesla apresentavam. 

De repente, viram os seus carros, muitos ainda nem sequer disponíveis, a ser muito menos competitivos. Com um agravante: é que alguns estudos, incluindo feitos por marcas automóveis, parecem indicar que a Tesla consegue ganhar dinheiro e o mesmo não deverá acontecer com as concorrentes, que, pelas razões já indicadas, estão a ter muitas dificuldades em baixar os custos de produção.

Claro que os gigantes da indústria estão a adaptar-se, mas a grande vantagem de a Tesla ter começado primeiro deverá permitir a Musk manter-se na frente durante muito tempo. Ainda mais com o Model Y que encaixa nos mercados que mais crescem: é elétrico e é um SUV.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemModel 3 deverá ser vendido em Portugal por até €43 mil

Publicado no Verdesobrerodas



Por Exame Informática conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário