Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Salão de São Paulo marca investida nos carros elétricos


O Salão do Automóvel 2018 marca a maior investida das montadoras nos carros elétricos no Brasil. 

Além de diversões modelos apresentados, algumas marcas colocaram seus veículos para serem testados pelos visitantes enquanto três fabricantes anunciaram a venda de automóveis 100% movidos a eletricidade.

Com maior autonomia e um design que pouco foge do estilo dos carros movidos a combustão, Nissan Leaf, Chevrolet Bolt e Renault Zoe parecem ser o início de uma nova era, mais limpa e consciente no Brasil. Mas na prática eles estão bem longe de serem alternativas viáveis para o consumidor nacional. E a razão é simples: os preços pedidos por eles no país ultrapassam de longe o bom senso.

Mesmo com o “esforço” de Brasília em aprovar uma nova legislação que beneficia os veículos ecológicos dentro do plano Rota 2030, aprovado nesta semana, o incentivo para esse tipo de veículo é pífio. 

Algum desconto de IPI e uma complexa conta para que as montadoras recuperem parte do investimento. Apenas os taxistas deverão receber um desconto de IPI e IOF se optarem por esses carros, algo que já existe em relação aos modelos emissores de poluentes como o dióxido de carbono.

Ou seja, pagar mais de R$ 178 mil por um Nissan Leaf é uma insanidade ou, na melhor hipótese, uma consciência ecológica só acessível a gente com muito dinheiro sobrando. Mesmo se levarmos em conta o Renault Zoe, o hatch compacto elétrico que a marca francesa lançou no salão por R$ 149.990 a conta não fecha.

Pequeno e um tanto apertado, o Zoe é capaz de rodar um quilômetro gastando apenas 10 centavos de real, segundo a Renault. Algo maravilhoso não fosse o fato de que um Kwid da mesma montadora capaz de gastar 25 centavos para percorrer a mesma distância com etanol - baseado na média nacional de preços divulgada pela ANP.

Em outras palavras, os 15 centavos de economia por km rodado exigiriam que o dono do Zoe percorresse nada menos que 720.000 quilômetros para recuperar os R$ 108.000 desembolsados a mais pelo carro elétrico em relação ao Kwid Intense, versão mais equipada do compacto nacional. Claro que o importado é um carro mais sofisticado e caro de produzir, mas nada justifica tamanha diferença.

Se você não consegue imaginar o que significa essa distância basta dizer que é quase ir da Terra à Lua e voltar (768,8 mil km em média). Se existisse uma “estrada” entre nosso planeta e o satélite natural nosso hipotético motorista levaria 400 dias dirigindo a 80 km/h de forma ininterrupta para já quase de volta à Terra “comemorar” o fato de passar a economizar dinheiro com seu veículo.

Em suma, o mercado de carros híbridos e ecológicos precisa de um empurrão e não de um "soprinho" para sair do lugar. Isso se traduz em isenção total de impostos, mas que seja dada ao comprador do veículo e não para a cadeia produtiva que, como se sabe, nem sempre faz esse “incentivo” chegar à tabela de preços. Algo como vemos no mercado PCD e que tem surtido efeito nas vendas. Quem sabe até mesmo oferecer os elétricos para esse público não seria nada mal.
 
VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemSalão de São Paulo marca investida nos carros elétricos

Publicado no Verdesobrerodas



Por AUTOO conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário