Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Próximo Bugatti terá versão elétrica


O regresso da Bugatti deu-se com o EB110 e o seu motor V12 de 3.5 litros, projetos de Mauro Forghieri, com desenho de Marcello Gandini e financiamento de Romano Artioli. Porém, a aventura não durou uma dezena de anos e ficou-se por aquele modelo, hoje uma raridade.

A entrada em cena do grupo Volkswagen em 1998 fez renascer a casa de Molsheim criada por Etore Bugatti, criando algo que ficará para sempre na história do automóvel: um carro capaz de chegar aos 400 km/h com um motor W16 com 8 litros de cilindrada e quatro turbos, capaz de 1500 CV e 1600 Nm de binário. Não houve e dificilmente haverá algo igual!

Construído o Veyron (depois de muitos atrasos devido a problemas com os ambiciosos objetivos do carro), poucos imaginariam que a Bugatti pudesse ir mais longe. A verdade é que nasceu o Chiron (nas imagens), uma vez mais homenageando um piloto que se destacou ao volante de um Bugatti (antes tinha sido Pierre Veyron, agora foi Louis Chiron e com o Divo foi homenageado Albert Divo) conseguindo a casa francesa ir mais longe.

O Chiron e o derivado Divo, serão os últimos de uma geração de carros fabulosos e o motor W16 terminará a sua carreira sem sucessor. Quem o disse foi Stephen Winkelmann, o CEO da Bugatti. “É um motor fabuloso, incrível, e sabemos que há muitos entusiastas desta peça de engenharia que gostariam muito que se perpetuasse e evoluísse. Vamos fazer tudo para o manter vivo durante muito tempo, mas se queremos estar na vanguarda da tecnologia, é preciso escolher o momento certo para a mudança. Por isso, o W16 não terá sucessor e o futuro passa por outras tecnologias.”

Fica evidente que o próximo Bugatti terá uma unidade de potência híbrida com potência elétrica a ajudar. Mas alegrem-se os adeptos da velocidade, pois Winkelmann lembrou que “a corrida á potência ainda não acabou” e por isso teremos direito a mais um Chiron ainda mais especial com o motor W16 a dar mais alguma coisa, antes de chegarem os híbridos que com menos cilindros e cilindrada poderão fazer melhor. Veremos quando chegar a hora de trocar o Chiron.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemPróximo Bugatti terá versão elétrica

Publicado no Verdesobrerodas



Por Motor 24 conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário