Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

VE deve consumir até 26% da produção mundial de eletricidade


De acordo com um estudo, as três revoluções que estão em curso, a eletrificação, a condução autônoma e o veículo partilhado irão necessitar entre 570 e 1140 TWh (terawatts-hora) de energia, representando entre 13% e 26% da produção mundial de eletricidade. Estará o mundo preparado para estes consumos?

Uma equipa da Universidade de Boston e da Universidade da Califórnia em Berkeley publicou um estudo na revista Energy Policy sobre a procura de eletricidade que a nova indústria automóvel exigirá em 2050.
De acordo com as conclusões, as três revoluções que estão a começar atualmente, a eletrificação, a condução autônoma e o veículo partilhado irão necessitar entre 570 e 1140 TWh (terawatts-hora) de energia, representando entre 13% e 26% da produção mundial de eletricidade.

Nesse mesmo estudo, os investigadores também inferem que esse aumento na procura de eletricidade poderia corresponder a uma redução de até 80% nas emissões de gases de efeito estufa, dependendo da taxa de descarbonização do setor elétrico. 

O estudo é baseado num modelo matemático chamado ‘Kaya identity‘, que é usado para descrever a relação entre os fatores que influenciam as tendências relacionadas à energia e emissões de dióxido de carbono emitidas na atmosfera. No modelo, os quilômetros percorridos pelo inventário de veículos em 2050 foram introduzidos como base de cálculo, considerando os efeitos de cada uma das três revoluções descritas.

Os investigadores concluem que o grande crescimento da procura por veículos elétricos e veículos autônomos representará um importante e novo desafio para o setor elétrico, que, no entanto, não deve ter problemas para servir a procura de energia elétrica. A eletrificação rápida e completa dos transportes e de uma rede elétrica livre de carbono deve continuar a ser a pedra angular da política de descarbonização dos transportes a curto prazo. 

No longo prazo, os veículos autônomos, elétricos e partilhados devem ser capazes de realizar um maior número de quilômetros, permitindo a expansão urbana e suburbana, aliviando o congestionamento do tráfego e proporcionando maior segurança nas estradas, reduzindo assim os acidentes.

Para Peter Fox-Penner, gestor de projetos, “os possíveis futuros dos transporte ainda são muito incertos, mas os investigadores estão a começar a estimar os verdadeiros impactos na procura de energia da automação de transportes”. A importante implicação dos veículos elétricos e automatizados na redução das emissões de gases de efeito estufa e o seu desenvolvimento na infraestrutura das cidades e da sociedade exigem uma necessidade óbvia de continuar trabalhando “, acrescentou.

Em causa estarão os meios para atingir os fins, melhor dizendo, o que será usado para produzir a enorme procura de energia que o mundo necessitará já daqui a pouco mais de um quarto de século.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemVE deve consumir até 26% da produção mundial de eletricidade

Publicado no Verdesobrerodas



Por Pplware conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário