Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sábado, 28 de julho de 2018

Rota 2030 proporciona incentivos para veículos eletrificados


O Presidente da República Michel Temer assinou, no dia 5 de Julho de 2018, em cerimônia no Palácio do Planalto, a MP (medida provisória) que autoriza o novo regime automotivo brasileiro, o Rota 2030 Mobilidade e Logística. O programa trata-se de um incentivo às montadoras e também de um conjunto de regras que as fabricantes terão que seguir para poderem usufruir de tais estímulos, incluindo melhoria no consumo de combustível dos carros e aumento da segurança.
De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Mdic - o regime fora dividido em três ciclos de investimentos pelos próximos 15 anos. O plano já era para ser implementado no início de 2018, porém houve um atraso por conta de um impasse entre a Fazenda e o Mdic. Por ser uma Medida Provisória, o Rota 2030 só vai operar efetivamente após ser publicado no Diário Oficial da União. A MP deve ser aprovada pelo Congresso Nacional, em até 120 dias, sob o risco de perder a validade.

A principal meta deste novo programa é a concessão de R$ 1,5 bilhão, ao ano, de crédito tributário à indústria como um todo, no caso de as montadoras participantes do programa investirem, ao menos, R$ 5 bilhões em pesquisa e desenvolvimento (anualmente). Trata-se de um valor muito similar ao oferecido no plano anterior, encerrado em 2007, o Inovar Auto.

Do total investido, cada empresa deverá receber crédito equivalente a 10,2%, o que poderá ser usado no abatimento da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e do Imposto de Renda. Maiores informações acerca do programa ainda serão divulgadas, mas alguns outros objetivos já foram adiantados pelo Governo:
• Desempenho Estrutural: Os carros deverão incorporar as tecnologias chamadas "assistivas à direção", que ajudam o motorista no momento da condução, até 2027;
• Etiqueta Veicular: Os veículos comercializados no país contarão com etiquetas que informarão de forma mais clara ao consumidor a eficiência energética e os equipamentos de segurança instalados;
• Eficiência Energética: As montadoras terão a obrigação de manter a meta de eficiência energética do Inovar Auto (programa anterior) e deverão superar esse patamar em 11% até 2022, diminuindo o consumo de combustível e a emissão de gazes poluentes dos carros.


O presidente também assinou o decreto que deve reduzir o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos elétricos e híbridos - que possuem um motor elétrico e outro a combustão. A medida também havia sido anunciada no começo do ano.

A alíquota deixará de ser de 25% para variar em uma faixa que vai de 7% a 20%, e pagarão o menor percentual aqueles veículos que tiverem maior eficiência energética. Para os motores a combustão (regulares) não há redução de IPI prevista. Apenas com a divulgação desse ato, a repercussão no mercado nacional e internacional será extraordinária.

Atualmente já é possível publicar nos meios de comunicação oficiais do Governo, o Diário Oficial da União, dos Estados e dos Municípios. Através de agência de publicidade legal, atas, editais, informativos e outros documentos são publicados de forma prática e segura.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemRota 2030 proporciona incentivos para veículos eletrificados

Publicado no Verdesobrerodas



Por Terra conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário