Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sábado, 7 de julho de 2018

Estudo revela desafios dos veiculos elétricos na Europa


A Associação de Fabricantes de Automóveis na Europa (ACEA) apresentou os resultados do estudo “Making The Transition to Zero-emission Mobility“, uma publicação que identifica as razões pelas quais a expansão dos elétricos na União Europeia tarda em acelerar.

A Comissão Europeia espera que os carros totalmente elétricos correspondam a 15% do total das vendas de automóveis por volta de 2025 e 30% em 2030.
No entanto, ainda existem entraves à expansão dos elétricos nos mercados da União Europeia e a ACEA distingue três pontos essenciais no seu estudo: o custo, a disponibilidade de infraestruturas e a falta de investimento. Este estudo traça um paralelo entre o PIB per capita dos países e a percentagem que os elétricos assumem nos mercados dos diferentes países.

Nos países em que o PIB per capita é inferior a 18,000€, a quota de mercado dos veículos elétricos é próxima dos 0%. Em metade dos países membros da União Europeia, a percentagem não vai sequer além dos 0.75%. Atualmente, os automóveis elétricos puros correspondem a 1,5% do total das vendas de carros na União Europeia.

A mudança de foco dos fabricantes também influenciará a alteração deste cenário tal como as decisões que o Parlamento Europeu tomar – importando o resultado das metas de emissões de CO2 que serão votadas no próximo dia 10. “O Parlamento Europeu não deve perder a noção de que o mercado é essencialmente orientado pelos clientes. 

Uma mudança natural para os veículos elétricos simplesmente não acontecerá sem se ter em consideração a acessibilidade para o consumidor”, sublinha Erik Jonnaert, Secretário Geral da ACEA.

A existência de infraestruturas tem igualmente um impacto notável. A este nível, o estudo indica que dos cerca de 100,000 postos de carregamentos disponíveis em todo o continente europeu, 76% estão localizados em apenas quatro países: Alemanha, França, Holanda e Reino Unido. Em comparação, por exemplo, na Romênia, que é um país quase seis vezes maior do que a Holanda, apenas 114 postos de carregamento estão disponíveis para toda a nação.

Tem de haver um investimento assinalável para que se assista a uma expansão dos elétricos. Se se mantiver este nível de adesão, será impossível alcançar os objetivos da União Europeia. Em 2017, os elétricos corresponderam a apenas 0,7% das vendas de automóveis nos mercados da UE. A este ritmo, significa que em 2025 as vendas de carros elétricos representarão apenas 3.9% e, em 2030, 5.4% – muito longe das metas de 15 e 30%, respetivamente.

“Estamos preocupados que alguns políticos tenham expetativas totalmente irrealistas em relação ao ritmo do mercado. Já para cumprir o valor de referência atual da Comissão teríamos de saltar de menos de 1% das vendas dos automóveis elétricos para os 30% em apenas 12 anos. E o Parlamento está a propor metas ainda mais agressivas, chegando aos 50%”, alertou Jonnaert.

Há, portanto, muito a fazer para que os mercados União Europeia consigam atingir os objetivos de proporção de vendas estabelecidos. Este é um complexo processo que envolve partes distintas – os consumidores, os fabricantes e as próprias políticas decretadas pela UE.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemEstudo revela desafios dos veiculos elétricos na Europa

Publicado no Verdesobrerodas



Por Revista Turbo conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário