Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

terça-feira, 26 de junho de 2018

Um em cada seis carros vendidos na Islândia é elétrico


Fria, distante e diferente. A Islândia como país está bem diferente do que é time da seleção. Eles se classificaram para a Copa do Mundo nas eliminatórias europeias e viraram sensação. Ali, a equipe já conquistava corações e no torneio mundial está fazendo o mesmo, de novo.

O país sofreu com a crise mundial de 2009 entrando em forte recessão e que chegou a pedir falência. Hoje vive majoritariamente do turismo.
A Islândia é mais conhecida pela cantora Bjork e pelo vulcão de nome impronunciável, o Eyjafjallajökull. No mercado de carros, assim como territorialmente, é pequeno.

Em 2017, o mercado total de veículos (carros de passeio + comerciais leves) ficou pouco acima de 23.911 unidades. Como comparação, em um mês o Chevrolet Onix costuma vender cerca de 15 mil exemplares no Brasil.

Se a Islândia fosse um veículo, na lista da Fenabrave ela estaria entre os 30 mais vendidos. Levando em conta o fechamento de 2017, ela brigaria com o Chevrolet Spin (24.713) e o Nissan Versa (23.370) carros que foram o 28º e o 29º, respectivamente. Desse total, 21.325 são carros de passeio e apenas 2.041 são comerciais leves.

Nas ruas, a velocidade máxima geral é de 50km/h em áreas urbanas, 80 km/h em estradas rurais e 90 km/h em rodovias. Lá, os faróis ligados são obrigatórios durante o dia ou a noite e a lei seca é regra: nenhuma porcentagem de álcool para motoristas.

De acordo com a Autoridade Islandesa de Transporte, um a cada seis carros vendidos no país em 2017 eram elétricos ou híbridos. Isso representa cerca de 16% das vendas. Em 2016, apenas 5,8% eram desse tipo. Dos 16%, 11% são de híbridos e 5% de 100% elétricos, como, por exemplo, o BMW i3. Para aumentar a chegada e a venda desses modelos, o governo da Islândia retirou os impostos e taxas, para que fiquem mais baratos e acessíveis. Um gargalo que ocorre lá, assim como no Brasil, ainda é o baixo nível de pontos de recarga disponíveis para carros elétricos.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemUm em cada seis carros vendidos na Islândia é elétrico

Publicado no Verdesobrerodas



Por Jornal do Carro Estadão conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário