Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Nissan tem plano para mobilidade eletrificada no Brasil

A Nissan tem planos verdes para o Brasil. Além da confirmação oficial da importação do Leaf, a marca japonesa também pode lançar um híbrido no país. Os planos estão em pauta há algum tempo, no entanto, o registro do sistema batizado de E-Power foi publicado somente hoje no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). 

A data de depósito foi no dia 22 de dezembro de 2017. A Nissan tem interesse na nacionalização da tecnologia, contudo, ainda não sabemos se o E-Power será aplicado no Kicks ou em outro nacional.

Ao contrário de um híbrido convencional, em que o motor a combustão é o maior responsável por tracionar o veículo, o sistema E-Power funciona com outro princípio. O propulsor elétrico movimenta o carro e o motor a combustão está ali apenas para gerar eletricidade e alimentar as baterias. Ambos ficam instalados sob o capô graças ao pequeno tamanho.

Falando assim, pode parecer o mesmo princípio de autonomia estendida aplicada em carros como o BMW i3. Só que, diferentemente do modelo alemão, o sistema da Nissan dispensa o carregamento por tomada. A energia é gerada somente pelo motor a gasolina, o pacote de baterias ocupa 1/20 do espaço exigido no Leaf e fica abaixo dos bancos dianteiros, sem atrapalhar o espaço interno ou exigir uma nova plataforma. Baterias menores também barateiam o sistema E-Power.

A tecnologia já é aplicada no modelo Note, construído na fábrica de Oppama (Japão) sobre a mesma plataforma do Kicks. No carro japonês, o propulsor elétrico gera o equivalente a 110 cv, bem menos que os 150 cv gerados pelo novo Leaf, enquanto o torque instantâneo de 25,9 kgfm é o suficiente para dar uma tocada ágil.

Segundo a Nissan, o consumo médio chega a 34 km/l. O fabricante afirma que o funcionamento do motor a combustão é silencioso e não atrapalha o conforto a bordo, enquanto permite abdicar dos tempos de recarga usualmente grandes vistos em veículos híbridos do tipo plug-in. Por mais que não seja 100% verde como um veículo zero emissão como o Leaf, a tecnologia híbrida é promissora. No caso do Note, o motor a gasolina é um tricilíndrico 1.2, projeto não muito diferente do 1.0 flex usado pelo fabricante no Brasil, o que poderia facilitar a adaptação.

“O e-power é um carro elétrico com um gerador a gasolina. O Note passou a ser o carro mais vendido do Japão depois que foi introduzida essa tecnologia. O lance para o Brasil seria adaptar esse sistema para o etanol, algo que já estamos trabalhando com aquele conceito SOFC”, afirmou Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil.

Caso seja aplicado de fato no Kicks, o E-Power não será lançado comercialmente neste ano. O crossover compacto produzido em Resende (Rio de Janeiro) terá novidades expressivas apenas em 2019.   

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemNissan tem plano para mobilidade eletrificada no Brasil

Publicado no Verdesobrerodas



Por Auto Esporte conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário