Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A tecnologia híbrida chega à Renault

Os híbridos estão na ordem do dia e os Diesel estão pelas ruas da amargura. Ou será que não? 

A comprovar que estas duas fórmulas podem coexistir sem dramatismos e sem extremismos, a Renault decidiu que o primeiro sistema híbrido da sua gama teria por base um motor Diesel, o já bem conhecido 1.5 dCi de 110 CV.

Por fim, a tecnologia híbrida chega à Renault. Mas fá-lo de maneira ainda tímida na forma de um ‘mild-hybrid’, ou seja, um sistema que concilia um pequeno motor elétrico com o principal motor de combustão, neste caso, o Diesel para obter uma redução nas emissões e nos consumos, melhorando ao mesmo tempo as prestações. Aliás, essa é uma ideia que fica bem patente na premissa de aliar a eletricidade ao gasóleo. Se este último já é muito eficiente, adicionar-lhe uma componente híbrida apenas poderá melhorar o conjunto. Certo? Já daremos a resposta.

Primeiro que tudo, convém esclarecer que este Grand Scénic Hybrid Assist não é um híbrido na verdadeira aceção da palavra.

 Isto é, conta com um motor elétrico de 10 kW/14 CV, mas esse não tem forma de movimentar, por si só, as rodas motrizes, cabendo esse papel sempre ao motor térmico. Porém, dispõe de solução tecnológica em que duas baterias coexistem para ajudar no propósito de reduzir consumos e emissões. 

A principal, de tração com 48 V, consegue recuperar energia decorrente das fases de desaceleração, armazenando a energia para utilização posterior, dando um pouco mais de binário (até 15 Nm) ao motor Diesel quando esse necessita de uma ‘injeção’ de vigor. A secundária, de apenas 12 V, alimenta as outras funcionalidades e sistemas do Grand Scénic, como é o caso da iluminação e do sistema de ABS. Uma forma de tornar mais eficiente uma disposição técnica elaborada.

Por outro lado, reduz as emissões poluentes e os consumos (de acordo com a marca num valor que pode chegar aos 10%), numa receita que nem aumenta em demasia o custo para o cliente. Terá sido por aí que a Renault também olhou quando tomou esta sua decisão para um primeiro ‘híbrido’.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemA tecnologia híbrida chega à Renault

Publicado no Verdesobrerodas



Por Motor 24 conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário