Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

SEAT está em transição para a motorização elétrica

Nesta altura do campeonato, a eletrificação é um tema inevitável quando falamos no desenvolvimento de novos modelos. No caso da SEAT, a transição para as motorizações elétricas poderá ser feita através das suas variantes desportivas – Cupra. De acordo com o responsável da SEAT no Reino Unido, Richard Harrison, a ideia de acrescentar uma unidade elétrica aos modelos Cupra está a ser explorada há já algum tempo, mas sem resultados práticos, pelo menos para já.

Em entrevista à Autocar, Harrison assumiu que o objetivo principal é elevar os modelos Cupra para outro patamar, seja através da eletrificação, seja através do desporto motorizado – não necessariamente à procura de recordes no Nürburgring, como Richard Harrison fez questão de referir. Se avançassemos com a ideia, teríamos de escolher um ou dois modelos e fazê-lo adequadamente [...] Independentemente do que possamos fazer, não será um Cupra só para melhorar a imagem de marca, terá de haver uma razão comercial por detrás.

O Grupo Volkswagen – do qual a SEAT faz parte – definiu como meta para 2025 ter no mercado mais de 30 novos modelos elétricos. O primeiro deles será lançado pela própria Volkswagen, através da nova plataforma modular elétrica MEB, em 2020.

Apresentada recentemente, a 5ª geração do SEAT Ibiza não terá direito a uma versão Cupra, ficando-se pela FR. No sentido contrário, é quase certo que o SEAT Ateca venha a receber, já em 2018, a tão esperada variante desportiva.

Assim sendo, a gama de modelos mais desportivos da SEAT inclui atualmente apenas um modelo, o Leon Cupra. Lançado já este ano, é o modelo de série mais potente alguma vez produzido pela SEAT: são 300 cv de potência e 380 Nm de binário, provenientes do bloco 2.0 TSI. Caso se venha a confirmar, importa saber qual será o objetivo da SEAT com a adição de uma unidade elétrica. Será para aumentar a potência e performance? Melhorar os consumos e emissões? Resta-nos esperar pela confirmação oficial.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemSEAT está em transição para a motorização elétrica

Publicado no Verdesobrerodas



Por Razão Automóvel conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário