Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

domingo, 30 de julho de 2017

Entregue aos compradores primeiras unidades do Model 3

A Tesla apresentou na sexta-feira seu primeiro modelo de carro elétrico popular, o Model 3. A novidade é um marco para a indústria automobilística. O proprietário da empresa, o bilionário Elon Musk, chegou ao evento de lançamento na sede da empresa em Freemont, perto da cidade de San Francisco, a bordo de um exemplar vermelho do Model 3. 

Os primeiros compradores - 30 funcionários da Tesla - receberam as chaves de seus veículos e posaram para fotos.  “É um carro incrível. Monitoramos até o mínimo detalhe”, disse. “Produziremos automóveis o mais rápido possível”, prometeu Musk.

O Model 3 deve chegar às concessionárias nos próximos meses. O novo carro elétrico visa expandir seu mercado consumidor — os preços começam em US$ 35 mil — e vai se multiplicar em breve. De acordo com Musk, mais 100 unidades serão produzidas m agosto e outras 1.500 em setembro. O objetivo da Tesla é que a produção alcance 5 mil unidades semanais do Model 3 neste ano e 10 mil unidades semanais em 2018. Mais de 375 mil consumidores fizeram depósitos para entrar na lista de espera do Model 3.

Analistas indicam que, com esse lançamento, a Tesla pode estar transformando o futuro da indústria automobilística. Gene Munster, analista na empresa de pesquisa Loup Ventures, acredita que a Tesla pode fazer pelo setor automobilístico o que a Apple fez pelos celulares e eletrônicos.  “Acreditamos que um dia vamos olhar para trás, para o lançamento do Model 3, e compará-lo com o iPhone, que provou ser um catalisador na migração para a computação móvel”, disse Munster numa nota.

O pesquisador acredita que a Tesla vai protagonizar as "mudanças de paradigmas" no ramo de carros elétricos ou autônomos, que podem alterar o setor inteiro. Com produção de 83 mil veículos em 2016, a Tesla alcançou um valor de mercado de cerca de US$ 55 bilhões - à frente de gigantes como a General Motors -, antecipando a liderança na indústria.
Munster avalia que a Tesla pode começar atingir a rentabilidade em 2021 e que 2023 será "um ano excepcional para a empresa", com 1,6 milhão de veículos produzidos. A Tesla atualmente vende apenas dois modelos de luxo de seus carros elétricos: o sedã "Model S" e a SUV "Model X", cujos preços começam em cerca de US$ 80 mil.


O sucesso do Model 3 pode aliviar as preocupações acerca da capacidade de crescimento significativo da Tesla. Planejado para ser menor, mais simples e mais fácil de montar que seus irmãos de luxo, o Model 3 também tem preços competitivos no mercado automobilístico. O veículo oferece menos opções que os precedentes, mas tem a mesma tecnologia auto-condutora. A bateria do veículo foi feita para durar pelo menos 345 km antes de precisar ser recarregada, de acordo com a Tesla. Uma questão importante é se a Tesla consegue aumentar a produção para atender a demanda, e se os rivais vão entrar no mercado de veículos elétricos.

A fabricante sueca Volvo anunciou, recentemente, que vai deixar de produzir gradualmente os veículos com motores apenas a gasolina, priorizando os carros híbridos ou elétricos. A GM, por sua vez, bateu a Tesla no mercado com o seu carro elétrico Bolt, mas recentemente interrompeu a produção para estabilizar os estoques, devido às vendas fracas.

Musk pretende desvincular, pouco a pouco, a indústria dos combustíveis fósseis, associando-a à energia solar e a outros investimentos de transporte. O bilionário é dono da empresa de energia solar SolarCity e atualmente constrói baterias recarregáveis para abastecer casas e carros.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemEntregues aos compradores primeiras unidades do Model 3

Publicado no Verdesobrerodas



Por Jornal O Globo conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário