Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sábado, 10 de junho de 2017

Portugal define etapa para a utilização de combustíveis alternativos

A estratégia para a utilização de combustíveis alternativos no setor dos transportes entra numa nova etapa, com a definição do enquadramento para a implantação de uma infraestrutura de abastecimento alternativo, desde a eletricidade ao hidrogênio e GPL.

De acordo com o projeto de decreto-lei que estabelece o enquadramento para a implantação de uma infraestrutura para combustíveis alternativos a fim de minimizar a dependência em relação ao petróleo e de atenuar o impacto ambiental dos transportes, publicado em Diário da República (DR), "o desenvolvimento do mercado de combustíveis alternativos no setor dos transportes e a implantação das respetivas infraestruturas constam de um Quadro de Ação Nacional (QAN)".

O referido QAN prevê a instalação até 31 de dezembro de 2020 de um número adequado de pontos de carregamento acessíveis ao público, a fim de garantir que os veículos elétricos possam circular pelo menos nas aglomerações urbanas e/ou suburbanas e noutras zonas densamente povoadas e na rede rodoviária, incluindo interfaces de transporte público. Além dos postos de carregamento de eletricidade, o decreto-lei inclui metas para a utilização de hidrogênio, biocombustíveis, combustíveis sintéticos e parafínicos, gás natural, abrangendo o biometano, em forma gasosa [gás natural comprimido (GNC)] ou em forma liquefeita [gás natural liquefeito (GNL)] e gás de petróleo liquefeito (GPL).
  
Outro objetivo previsto é o de instalar, até 31 de dezembro de 2025, um número adequado de pontos de abastecimento de GNL nos portos marítimos, de modo a permitir a circulação de embarcações de navegação interior ou de navios de mar movidos a GNL. Entretanto, a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) tem que enviar à Comissão Europeia, até 18 de novembro de 2019 e, posteriormente, de três em três anos, um relatório sobre a aplicação do QAN.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemPortugal define etapa para a utilização de combustíveis alternativos

Publicado no Verdesobrerodas



Por Diário de Notícias conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário