Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ioniq elétrico chegará em breve à Portugal

A Hyundai está imparável e, com o Ioniq, é a única marca que dispõe de um modelo híbrido, híbrido plug-in e elétrico, embora a Portugal apenas ainda tenha chegado o primeiro deles. Com 141 enérgicos cavalos e uma estética agradável o Ioniq foi ensaiado pelo Motor24 ao longo de mais de 500 quilômetros. E para primeira incursão no mundo dos híbridos, a Hyundai saiu-se bastante bem.

Para o ataque ao líder do segmento a Hyundai não olhou a meios e se, esteticamente algum defeito se lhe pode apontar, é o da colagem da traseira ao seu grande rival, o Toyota Prius. Tal como no concorrente, a mala está dividida em duas superfícies vidradas, mas não dispõe de um limpador de para-brisas e a solução encontrada não permite uma boa visibilidade para o que se passa atrás.

Este Ioniq segue a linguagem estética da marca, com uma frente agressiva, que se destaca por onde passa. Com toda a carga subjetiva inerente, é um carro agradável à vista, com um perfil em cunha que lhe assenta bem. É mais “normal” que o Prius, uma opção que se estende ao interior, onde a marca poderia ter ido um pouco mais longe. Haverá, talvez, um excesso de botões e teclas, mas nada que um ou dois dias de habituação não resolvam.

Não faltam locais de arrumação e o espaço é mais do que suficiente para quatro adultos viajarem à larga, sendo que o banco traseiro central, embora acomode facilmente um quinto passageiro, não oferece o mesmo o conforto, e pouca bagagem terá de ficar em casa (segundo a marca, a mala oferece uma capacidade de 550 litros e tem uma prática cobertura, que desliza facilmente em calhas).

Por outro lado, o Ioniq tem um vasto equipamento de série, sem lacunas graves a apontar, e disponibiliza diversos sistemas de segurança ativa e passiva, incluído travagem autônoma de emergência, sinalização de travagem de emergência (liga automaticamente os quatros piscas) ou o sistema de manutenção na faixa de rodagem.
Para mover este Ioniq, a Hyundai escolheu um motor a gasolina 1.6, de 108 cavalos e uma unidade de motorização elétrica de 43 cavalos. A potência combinada atinge uns suficientes 141 cavalos, passados às rodas da frente através de uma caixa de dupla embraiagem de seis velocidades. Apesar de estar disponível um modo de condução Sport, não existem patilhas no volante e as velocidades podem ser passadas manualmente, em modo sequencial, na alavanca de velocidades.

Para a primeira incursão de uma marca neste mundo dos compactos híbridos fazer tudo quase tão bem como o rival direto e líder do mercado, o Prius, que está no mercado desde 1997, diz bem da capacidade técnica da marca coreana. E está para breve a chegada do Plug-in e de um Ioniq exclusivamente elétrico (versão que a concorrência não possui). A unidade por nós ensaiada custava 33.056 euros, oferecendo cinco anos de garantia sem limitação de quilometragem e uma oferta de oito anos e 200 mil quilômetros para as baterias.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemIoniq elétrico chegará em breve à Portugal

Publicado no Verdesobrerodas



Por Motor 24 conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário