Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Crossover BMW i5 tem autonomia de 500 km

O BMW i5 é o quarto carro da linha ‘i’ de modelos elétricos da marca de Munich, um crossover de luxo capaz de oferecer uma elevada autonomia de 500 km para viajar comodamente somente com eletricidade. Isso é um breve resumo do que se sabe até agora desse modelo, mas também se fala que tenha sido cancelado. A realidade é outra bem diferente. Sua chegada ao mercado simplesmente atrasou, e o fato de não ter uma data definida não significa que tenha sido cancelado. 

Obviamente que não há uma informação oficial emitida pela marca que desminta todas essas informações, nenhuma pista, mas sabe-se que a BMW mudou a estratégia de eletrificação de seus modelos por questões técnicas e de custos.

A arquitetura LifeDrive conta com dois módulos: Life para o habitáculo e Drive para o sistema de propulsão, incluindo um piso de alumínio. Essa estrutura utiliza extensivamente o CFRP para elevar o nível de segurança dos passageiros, aliviar o peso e conseguir uma dinâmica de primeira ordem.

A BMW i nasceu, cresceu e se posicionou como uma submarca que nunca apostaria em grandes volumes de produção. Seus modelos, o i3, o i8 e o próximo i8 Spyder, foram desenvolvidos partindo da arquitetura LifeDrive, uma estrutura completamente nova que não foi adaptada de outras plataformas da BMW como a UKL de tração dianteira ou a CLAR para modelos de tração traseira.

A arquitetura LifeDrive foi utilizada também para desenvolver materiais que estão sendo estendidos aos outros novos modelos da BMW, MINI e Rolls-Royce, por enquanto em painéis da carroceria. Mas essa estratégia se tornará um problema quando a BMW quiser eletrificar sua oferta e equipar cada modelo com uma versão puramente elétrica, atingindo assim o objetivo de em 2025 alcançar o número de 100.000 unidades de modelos eletrificados. 

Hoje o grupo conta com essa arquitetura limitada à BMW i, mais a UKL de tração dianteira e a CLAR de tração traseira para os modelos da BMW e MINI. Uma solução descartada seria tornar a BMW i uma marca de volume, mas optou-se por desenvolver uma nova plataforma modular para eletrificação baseada na CLAR de tração traseira, uma alternativa mais eficiente em termos de custos e que dará uma maior flexibilidade aos projetistas e engenheiros.

‘Flat Battery Storage Assembly’ ou FSAR é a nova plataforma modular elétrica que permitirá desenvolver modelos com diferentes carrocerias e cuja propulsão poderá ser híbrida, híbrida plug-in ou elétrica alimentada por baterias. Dessa forma, a estratégia ‘Number One Next’ poderá ser aplicada às três marcas do grupo e adaptar-se a às novas tecnologias de eletrificação de forma rápida e eficiente diante de qualquer mudança na demanda. E não é só isso, reduzirá enormemente os custos em investimento de ferramentais e maquinário em todas as fábricas do Grupo BMW.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemCrossover BMW i5 tem autonomia de 500 km

Publicado no Verdesobrerodas



Por PlanetCarsz conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário