Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Grã-Bretanha aposta em baterias mais ponderosa para VEs

A Grã-Bretanha vai investir 110 milhões de libras (quase 129 milhões de euros) para ajudar a impulsionar a fabricação de baterias para veículos elétricos e desenvolver um novo tipo de baterias elétricas mais poderosas.

Segundo comunicado emitido esta terça-feira pelo Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial, e citado pelo Automotive News, o financiamento será distribuído por 38 projetos e inclui 62 milhões de libras (72,6 milhões de euros) para o desenvolvimento de veículos de baixas emissões e 31 milhões de libras (36,3 milhões de euros) para tecnologias de condução autônoma. Cerca de 2400 empregos estarão assegurados.

O dinheiro faz parte de um esforço para identificar e nutrir as indústrias do futuro, à medida que o Reino Unido se retira da União Europeia, pondo em risco os laços comerciais com os seus vizinhos mais próximos. Entre os beneficiários estão a Williams Advanced Engineering (divisão tecnológica da Williams, proprietária da equipa de Fórmula 1) que recebeu financiamento do Advanced Propulsion Center (APC) e que fabricará baterias para construtoras como a Aston Martin.

"O projeto permitirá desenvolver e disponibilizar sistemas de baterias capaz de remediar as lacunas significativas existentes na cadeia de fornecimento do Reino Unido", afirmou o diretor de Tecnologia e Projetos da APC, Jon Beasley.

A indústria automóvel está a tentar fabricar automóveis mais amigos do Ambiente e a melhorar os tempos de carga das baterias, por forma a ir ao encontro dos desejos dos condutores e cumprir as metas ambientais relativas à qualidade do ar, mas a Grã-Bretanha ainda não tem uma capacidade industrial suficiente para não estar dependente do exterior - situação que o governo britânico quer resolver.

Na semana passada, a Aston Martin começou a trabalhar numa nova fábrica no País de Gales com vista à produção do crossover elétrico DBX em 2019, enquanto a MINI (da BMW) deverá decidir até final do ano se iniciará a produção do seu primeiro modelo elétrico na sua fábrica de Oxford. Já a Jaguar Land Rover já afirmou querer produzir os seus veículos elétricos no Reino Unido, mas o seu primeiro modelo totalmente elétrico - o SUV I-Pace - será construído pela Magna Steyr na Áustria.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

PostagemGrã-Bretanha aposta em baterias mais ponderosa para VEs

Publicado no Verdesobrerodas



Por automonitor conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário