Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Portugal poderia seguir caminho do norte da Europa para promover VEs

Portugal tem um belo caminho nas energias renováveis, mas fica sempre a ideia de que é uma opção cara e ainda pouco segura. Será mesmo? O país tem sol, vento, água, mar, empresas com soluções, belos projetos a apontar como exemplo, números a confirmar que é viável pensar num país muito menos dependente do petróleo e do carvão, vontade política em vários elementos do poder central e local. 
Voltou o investimento na rede de carregamento para o carro elétrico, que já deveria ser uma das marcas de um país que imaginou ser pioneiro na alteração da mobilidade, nascem projetos para ter nas autarquias esta opção, até na recolha de lixo e limpeza de vias, mas ainda falta a produção de energia completamente democratizada. 
 
Teremos que ter acesso a painéis fotovoltaicos e a equipamentos eólicos a preços mais convidativos, com um incentivo claro a transformar cada telhado numa unidade rentável para as famílias e para o país. A fatura energética é demasiado pesada para empresas e famílias e esta é a hora de ter a coragem política para assumir uma alternativa mais amiga do planeta e da carteira dos portugueses.

Empresas, como a RTP, estão a aproveitar os parques de estacionamento e os telhados para investir na produção elétrica, mas ainda é necessário um grande investimento inicial que não está ao alcance de todos. Uma política idêntica à seguida com os painéis para aquecimento de águas, mas aplicada agora ao fotovoltaico, teria um resultado forte no impulso a esta mudança de paradigma. 
O país tem bons exemplos, mas há também casos muito interessantes a acontecer no muito mais rico norte desta Europa onde o carro elétrico ganha dimensão e a produção de energia pelas famílias e empresas é uma prática normal, reduzindo brutalmente a fatura energética dos cidadãos e do próprio estado.

Mas mudar o paradigma, implica olhar para a produção e consumo de energia de outra forma, como bens sociais, desligando a fortíssima lógica de negócio que domina por completo o mercado e isso não é coisa fácil.

VerdeSobreRodas, o ponto de encontro com a mobilidade sustentável

Postagem: Portugal poderia seguir caminho do norte da Europa para promover VEs
Publicado no Verdesobrerodas



Por RTP conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário