Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos se somadas as mídias sociais, * mais de MEIO MILHÃO de acessos somente no VSR, * lido por mais de DEZ países, * mais de SETE MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Versão híbrida do Mini Countryman fica mais confortável

Se a primeira geração do Mini Countryman já rompia com inúmeras tradições da marca, a segunda vai além: o utilitário esportivo ficou (ainda) maior, ganhou estilo próprio e uma inédita configuração híbrida. 

A primeira aparição pública do modelo acontecerá em novembro, durante o Salão de Los Angeles, com o início de vendas previsto para meados de 2017 na Europa. Fabricado no Brasil, o modelo atual é apontado como "indisponível" no site local da Mini, indicando que não deve demorar a chegar por aqui.

Intencional ou não, o novo Countryman se distanciou visualmente dos demais Mini. A dianteira ficou mais alta e deixou de lado os típicos faróis redondos para adotar peças de formato oval, enquanto o para-choque passou a ter aberturas maiores e uma faixa em preto brilhante ao centro. Na traseira, com aparência mais poluída em relação à geração anterior, as lanternas ficaram mais estreitas e o para-choque repete a faixa horizontal em preto da dianteira.

Ele cresceu 20 cm no comprimento, 3 cm na largura e 7,5 cm na distância entre-eixos. O porta-malas passou de 350 para 450 litros, com possibilidade de chegar a até 1.309 com os bancos traseiros rebatidos.

A quebra de tradições visuais fica ainda mais evidente no interior do utilitário compacto. Apesar de manter o clássico mostrador central, as saídas de ar ficaram retangulares (com cantos arredondados). Os materiais e as texturas utilizados variam de acordo com as versões, mas todas devem ter os diversos pontos de luz espalhados pela cabine. A central multimídia passou a ser representada por uma tela sensível ao toque de 8,8 polegadas e tem conectividade com dispositivos Apple.

Para todas as versões a gasolina e a mais barata a diesel, o câmbio padrão é manual de seis marchas. O topo de linha, a diesel, tem um automático de oito marchas, disponível como opcional para o Countryman a gasolina mais caro e para o diesel mais barato. Para a configuração de entrada, equipada com o motor 1.5 turbo, a transmissão automática de seis marchas é opcional. A tração pode variar entre dianteira e integral.
 
Destaque para a (até então), inédita versão híbrida plug-in do Countryman. O eixo dianteiro é empurrado pelo motor 1.5 turbo a gasolina, associado a um câmbio automático de seis marchas, enquanto o traseiro conta com a ajuda de um motor elétrico com 88 cv. No total, são 224 cv de potência e 39,3 mkgf de torque.

As baterias do utilitário híbrido são completamente recarregadas em três horas e quinze minutos em uma tomada de 240V. O veículo traz três modos de condução: Save Battery, (movido apenas com motor a combustão), Max eDrive (totalmente elétrico para velocidades até 124 km/h) e Auto eDrive (totalmente elétrico a até 89 km/h). Na melhor condição, a autonomia no modo 100% elétrico pode chegar a 39 quilômetros.
 
VerdeSobreRodas, o seu ponto de encontro com a mobilidade sustentável

Postagem: Versão híbrida do Mini Countryman fica mais confortável 

Publicado no Verdesobrerodas

Por Quatro Rodas conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário