Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sábado, 10 de setembro de 2016

Suécia tem 55 de ônibus eletrificados que transportam 1,2 milhão de passageiros/ano

A Volvo colhe em Gotemburgo, na Suécia, os primeiros resultados de um projeto que pretende mudar a maneira como as pessoas se deslocam de ônibus nos centros urbanos. Desde o fim de 2015 a cidade conta com a Linha 55 de ônibus eletrificados que passa pelo centro, liga algumas universidades e leva 100 mil passageiros por mês. São 10 veículos, todos da marca sueca: três totalmente elétricos e sete híbridos diesel-elétricos, que só usam o motor a combustão em velocidades superiores a 30 km/h.

“O foco está em oferecer três grandes vantagens: eficiência energética, redução e ruído e uma solução para que as cidades sejam mais sustentáveis”, contou Hakan Agnevall, presidente mundial da Volvo Bus, enquanto levava a reportagem para um passeio de ônibus por Gotemburgo em uma cena difícil de adaptar para o contexto brasileiro. No raciocínio do executivo, este é um dos caminhos essenciais para garantir a qualidade de vida nas grandes cidades que, no cálculo dele, devem abrigar dois terços da população global em 2060 (hoje 50% das pessoas vivem nos centros urbanos).

“Já fizemos testes no Brasil com etanol e em outras regiões com gás natural. A verdade é que nenhuma destas opções traz ganho importante de eficiência e ainda não há melhora no conforto para o motorista”, avalia Agnevall, assegurando que a eletrificação é o melhor caminho para os ônibus urbanos. A grande ousadia da iniciativa em Gotemburgo não está só em oferecer veículos com baixa ou nenhuma emissão, mas em garantir solução completa, incluindo a estrutura de recarga. 


Das 15 paradas da Linha 55, duas contam com sistema de recarregamento, uma delas fica, inclusive, em espaço fechado, o que garante proteção para o gelado inverno sueco. “Sem emissões ou ruído, o transporte pode ser planejado de um novo jeito na cidade, com paradas dentro de shoppings, bibliotecas e até de hospitais. Isso muda completamente a forma de se pensar as metrópoles e garante mais conforto aos passageiros, que não precisam se expor ao frio ou à chuva.”

Na estação, o condutor para o ônibus e, depois de acionar um botão no painel, o sistema de reabastecimento se conecta ao teto do veículo, onde fica a bateria. Em quatro a seis minutos a bateria tem 70% de seu potencial energético preenchido. Em uma destas paradas, o motorista Dzavid Murati desceu do veículo que conduzia e contou que a tecnologia tornou seu trabalho melhor, menos cansativo. Ele lembra que, quando o projeto começou, uma das preocupações era o silêncio dos ônibus, que poderiam oferecer risco aos transeuntes distraídos. “Achávamos que as pessoas não iriam escutar, mas esse problema não existiu. Os pedestres percebem o ônibus chegando”, conta.

Com a possibilidade de recarga ao longo da operação, a Volvo conseguiu reduzir o tamanho das baterias. “Menos peso, mais passageiros”, resume Agnevall. Depois de reabastecido, o chassi volta a rodar, aproveitando também a energia gerada na frenagem. Só durante a noite o veículo passa por reabastecimento convencional e alcança novamente 100% de carga.

O operador que optar por investir em um ônibus elétrico da montadora terá de desembolsar o dobro do valor que pagaria em um modelo a diesel. O custo operacional, no entanto, é significativamente menor, garante Agnevall, que prefere não especificar o tamanho da redução nos gastos com o uso do veículo, que pode variar de acordo com a aplicação. “A prefeitura de Gotemburgo oferece também incentivos para a compra de modelos zero emissão.”

Quanto à bateria de íons de lítio, a Volvo trabalha com um sistema de aluguel em que o cliente paga valor fixo por quilômetro rodado com os custos de recarga já inclusos. A economia nos gastos com combustível varia de 30% para o ônibus diesel a 75% no caso do elétrico. A vida útil da bateria é estimada por Agnevall em quatro a sete anos. Depois deste prazo a montadora se responsabiliza por destinar o componente para reutilização em aplicação menos severa ou à reciclagem. 



VerdeSobreRodas, o seu ponto de encontro com a mobilidade sustentável

Postagem: Suécia tem 55 de ônibus eletrificados que transportam 1,2 milhão de passageiros/ano

Publicado no Verdesobrerodas

Por Automotive Business conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário