Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Veículos elétricos têm sido uma boa solução para as cidades

O VLT é um (bom) problema do transporte elétrico: ele faz pouco barulho. Na cidade acostumada ao ruído dos motores a combustão, veículos elétricos são um alento e um perigo. É fácil atravessar a rua sem olhar, confiando em que a falta de ruído significa que não há nenhum veículo por perto.
Para resolver isso, a legislação dos EUA, da Europa e do Japão obriga que esses veículos incluam sons artificiais no deslocamento. Como não há requisito sobre como deve ser esse som, isso abriu uma corrida par reinventar o barulho dos carros.

A solução mais interessante até agora foi chamar compositores de música eletrônica para sintetizar o ruído dos veículos elétricos. Por exemplo, a artista Holly Herndon, considerada hoje um ícone da música eletrônica global, ganha hoje dinheiro sintetizando sons para sonorizar carros, possivelmente mais do que vendendo sua música.

Os sons sintetizados são infinitamente mais interessantes do que o barulho dos carros a motor de explosão. Eles reinventam a paisagem sonora da cidade. É como se os pedestres incautos fossem alertados do deslocamento do veículo com uma obra ambulante do produtor Brian Eno.

Alguns sons lembram um disco voador, outros, "ambient music". Muitos sons são generativos, isto é, não se repetem nunca. Usam frequências que são facilmente ouvidas por pessoas de todas as idades. Além disso, mudam de acordo com o movimento (aceleração ou freagem) e criam harmonias com outros veículos que trafegam na mesma região.

Eis, então, minha sugestão para o Rio. Substituir o motoqueiro que anda na frente dos VLTs por sons eletrônicos confeccionados por artistas de música eletrônica da cidade. Isso mudaria a paisagem sonora urbana do centro e da zona portuária.

Seria um novo "patrimônio imaterial" para a cidade e um novo "talking point" sobre cidade, atraindo turistas e curiosos sobre o redesenho sonoro naquele trajeto.
Valeria até fazer chamadas anuais para que diferentes artistas compusessem os sons do VLT. Cada trem, aliás, poderia ter seu próprio som.

Os transeuntes poderiam votar pelo celular para escolher seu ruído preferido, como se fosse um concurso de marchinhas prafrentex. Com isso, o "soundscape" do centro da cidade seria sempre renovado, abrindo caminho para um repensar contínuo desse desafio.

Nesse sentido, qualquer esforço de transformação urbana bem-sucedido faz-se não só com obras mas com criatividade permanente.

VerdeSobreRodas, o seu ponto de encontro com a mobilidade sustentável

Postagem: Veículos elétricos têm sido uma boa solução para as cidades
Publicado no Verdesobrerodas



Por Folha conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário