Este espaço é reservado a quem acredita na mobilidade sustentável e queira se juntar aos números abaixo:

* mais de UM MILHÃO de acessos ; * lido por mais de DEZ países, * mais de DEZ MIL postagens, * postagens (blog e mídias sociais) durante os 365 dias do ano, * newsletters semanal, * parcerias com eventos no Brasil e exterior. Clique AQUI para saber mais.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Estradas com asfalto ecológico ajudarão a reduzir poluição dos VEs

Quando se fala em veículo de emissão zero, significa em teoria que este não polui o meio ambiente com emissões de CO2, NOx, etc, diferentemente dos carros movidos por motores a combustão, sejam, eles diesel, gasolina, etanol ou GNV/GLP. 

No entanto, um estudo da Universidade de Edimburgo, Escócia, revelou que em realidade, os carros elétricos e híbridos poluem mais do que os convencionais. Nesse caso, a primeira impressão é que a origem disso seria a emissão das fontes geradoras de energia, que emitem muitas toneladas de dióxido de carbono no process. 

Mas, o estudo não leva isso em consideração, mas a poluição gerada pelo próprio uso do carro. Nesse caso, elétricos e híbridos passam a ser vilões quando se considera as emissões de particulados ou fontes não-escape. 

Essa poluição que não é contabilizada nem por governos e muito menos pelos fabricantes, é aquela gerada por poeira oriunda das pastilhas de freio, restos de desgaste de pneus, poeira da estrada e poeira de materiais despejados na via, tais como restos de granéis, por exemplo. O nível de emissão de fontes não-escape são maiores nesses tipos de veículos, por conta do maior peso, oriundo das pesadas baterias. 

O estudo revelou que motores modernos tendem a emitir um terço da emissão total de poluentes de um automóvel e essa parcela é realmente menos prejudicial ao meio ambiente em relação às demais. Ataques cardíacos, derrames e crises de asma ocorrem com mais frequência por conta dos particulados do que pela poluição emitida pelo escape dos carros. 

Ainda assim, a emissão de CO2 é ainda contribuição dos motores a combustão, o que os particulados não podem fazer. A questão abordada pela pesquisa é que o peso é o fator determinante para se reduzir essas emissões não-escape. 

Nos elétricos e híbridos, o desenvolvimento de baterias mais leves terá um papel fundamental para a redução dos particulados. Sabe-se que os freios regenerativos reduzem bastante a emissão de pó das pastilhas de freio. Pneus de baixa resistência à rolagem são mais duros e, portanto, produzem menor atrito e resíduos. Estradas com asfalto ecológico e de melhor qualidade, também contribuirá para essa redução de não-escape.

VerdeSobreRodas, o seu ponto de encontro com a mobilidade sustentável

Postagem:

Publicado no Verdesobrerodas

Origem: Noticias Automotivas

Nenhum comentário:

Postar um comentário